Domingo, 9 de Março de 2008

Marcha da Indignação



ENCHEMOS A AVENIDA
 

E fizemos muito mais. Desde as 14H45, início da manifestação, durante quatro longas horas, do Marquês e seus acessos, ao Terreiro do Paço, foi um “tsunami” compacto de Professores, bandeiras e faixas.

 

Soubemos mais tarde que atingimos os 100 mil participantes (Portugal tem 140 mil professores…). O Ministério da Educação reconheceu 80 mil!

 

Desde os tempos do PREC que a mítica Avenida da Liberdade não assistia a um desfile desta envergadura. A manif ultrapassou todas as expectativas. Até as mais optimistas.

 

No Terreiro do Paço, já as intervenções dos representantes das estruturas organizadoras iam a meio e na Avenida Fontes Pereira de Melo ainda se esperava para descer a Avenida. Quando as intervenções terminaram cerca das 18H45, a retaguarda da Marcha ainda não tinha entrado no Terreiro.

 

Em todos tocou fundo a Marcha. Ao longo da Avenida, foram muitas as palmas de apoio de populares. Foram muito calorosas as vozes de incitamento dos militantes do PCP que em frente da sua sede nos encorajaram. Foram os anónimos, com cartazes de apoio. A opinião pública começa a aperceber-se que algo não está bem nas relações deste Ministério da Educação com os seus Professores.

 

Apesar das vozes de ordem e da animação constante, principalmente dos Colegas do Norte, a Marcha foi tudo, menos alegre. Por detrás daquelas vozes, das risotas e piadas, havia o lado sombrio nos rostos sofridos dos que têm sido sujeitos às maiores humilhações e desconsiderações, suportadas à custa de muito profissionalismo e vocação. Foi talvez a maior demonstração de Unidade de uma classe que nunca primou pela união, mas que, desta vez, esta Ministra conseguiu o milagre de unir.

 

Durante as intervenções, alguém pediu um minuto de silêncio em memória dos Colegas, doentes terminais, falecidos em exercício, porque lhes foi recusada a aposentação pelas juntas médicas. Foi um momento impressionante. Se as lágrimas que assomaram aos olhos de muitos caíssem no chão, teriam sido ouvidas.

 

Neste momento sabemos que a Ministra já disse que nada vai ser alterado, que as suas reformas iam continuar, apesar de ir contra dois terços dos Professores. Disse que não ia mudar “… ao menor protesto… à menor contestação…”.

 

Errou. Foram 100 mil protestos, foram 100 mil contestações.


Nós enchemos a Avenida, do Marquês ao Terreiro do Paço, para lhe dizer:


Nós temos razão. A luta continua!

sinto-me: confiante
música: "Está na hora, está na hora..." (100 mil profs.)

publicado por rodamarante às 00:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Março de 2008

A Escola não é dos Professores, mas sem Professores a Escola não existe

Os Professores preparam-se para fazer da jornada do dia 8 de Março, a MAIOR MANIFESTAÇÃO da classe jamais feita.

As estruturas sindicais já foram ultrapassadas. As manifestações, vigílias, marchas e concentrações destas últimas semanas vieram mostrar que numa coisa o Ministério da Educação teve um mérito incontestável: UNIU OS PROFESSORES. Sindicalizados e não. Do BE ao PP, com PC, PS e PSD pelo meio.

O descontentamento que vinha aumentando gradualmente está a atingir níveis nunca antes alcançados.

O congelamento das carreiras, a imposição do Estatuto da Carreira Docente, a fractura da carreira em titulares e professores, a gestão das escolas e o modelo de avaliação são apenas partes do problema. A humilhação permanente do professor perante a opinião pública, a desvalorização do seu papel, feriram bem fundo a dignidade dos que fizeram da sua profissão a razão das suas vidas e por ela fizeram opções e investiram o máximo de si.

A Ministra da Educação vai nesta semana, como já é hábito, em vésperas de manifs e greves, desdobrar-se em acções de marketing e de charme. À falta de melhor, foi ouvir um rasgado elogio de um tal Valentim Loureiro e receber a vassalagem do Presidente da Confederação das Associações de Pais. Quinta-Feira, na Grande Entrevista da RTP1, vai de mãos postas, qual virgem ofendida,  tentar desmobilizar a Marcha da Indignação de Sábado com mais algumas cedências tácticas, para mostrar que até é cordata e os Profs é que são bestas e se deixam manipular.

Os organizadores esperam 25 mil manifestantes. Penso que estão a ser cautelosos. Vamos ser mais.

Já ouvi dizer que nisto tudo, ninguém fala dos Alunos. Mas quem diz isso esquece-se que os Professores também são Pais. Curiosamente, a nova gestão das escolas que tanto defende a papel dos Pais, ESQUECE que os Professores estão arredados deste processo, porque nada foi previsto no ECD a permitir a sua participação enquanto Pais.

A Escola não é dos Professores, mas sem Professores a Escola não existe.

sinto-me: Com fé
música: "Venceremos" (G.A.C.)

publicado por rodamarante às 00:51
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Marcha da Indignação

. A Escola não é dos Profes...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.contador