Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Dia de Greve

HOJE ESTOU DE GREVE!

Por mim,

Pelos meus Colegas,

Pelos meus Alunos,

Pela Escola Pública,

Pelo Ensino,

Pela Educação,

Por PORTUGAL.

Às 09H00, estarei à entrada da minha Escola. Junto ao portão. Hoje não entro. Convido quem quiser aderir a fazer o mesmo. Não é nenhum piquete. Não é para chantagear quem quer que seja. Muito menos intimidar. Apenas tornar mais visível a nossa luta. De cara descoberta.

Às 11H00 estarei na Praça Salgueiro Maia. Com os Colegas de todas as Escolas do Concelho. Iremos à Câmara Municipal entregar um documento com as razões da nossa greve.


publicado por rodamarante às 00:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

O sino da unidade toca a rebate!

Eis a tempestade que aí avança.

Depois de um fim-de-semana mais ou menos sereno, veio a 2ª feira dos prós e contras e, mais uma vez os ânimos a aquecerem para as manifs distritais que vão marcar esta semana de luta.

Depois de um anúncio, recebido com alguma desconfiança por um largo sector docente, que a FENPROF ia apresentar 6ª feira à ministra uma proposta de avaliação "para salvar o ano lectivo", o fantasma do famigerado Memorando de Entendimento voltou a assombrar o nosso quotidiano.

O receio que um Memorando II esteja em preparação agitou o debate. Felizmente a Plataforma, através de Mário Nogueira, veio sossegar as hostes. A suspensão deste modelo de avaliação é para manter.

Depois de 8 de Março, muitos professores não se reviram nas decisões tomadas pelos sindicatos e foram muito críticos relativamente às suas actuações. Mas quando o sino da unidade tocou a rebate, mais de 80% de nós respondeu; ultrapassou as diferenças, cerrou as fileiras num histórico quadrado e resistiu. Uma após outra, primeiro timidamente, depois, com a força da razão, as escolas foram suspendendo o processo de avaliação imposto pelo ME. E a Plataforma Sindical viu o seu mandato reforçado.

120 mil responderam à chamada. Mesmo depois de terem sido apodados de chantagistas e guerrilheiros, acusados de intimidar os colegas favoráveis ao ME, ameaçados com as mais severas penas, os professores não recuaram. Mais escolas pararam a avaliação.

A Plataforma tem agora o apoio expresso dos professores.

Hoje foi a região Norte, amanhã será o Centro, depois, a Grande Lisboa e 6ª feira o protesto chegará ao Sul.

Atingimos um ponto de difícil retorno. Agora é o tudo ou nada.

A luta vai ser dura. Assim nos consigamos manter unidos.

 


publicado por rodamarante às 22:23
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008

CONDUZIR: A Grande Aventura


ACP propõe exames mais rigorosos

O Automóvel Club de Portugal vai propor em Março várias alterações nos conteúdos de ensino da condução. Para o presidente do ACP, Carlos Barbosa, os exames têm de ser muito mais rigorosos...

... a aposta deveria ser feita mais na «prevenção» do que na «repressão»...

... O ensino tem de ser extremamente rigoroso e os exames têm de ser rigorosíssimos de maneira que as pessoas depois de terem a carta de condução sejam verdadeiros condutores...

(in SIC Online, 08:16 / 06 de Fevereiro 08 )

 

Penso que esta questão ultrapassa em muito o ensino e o exame.

Mais de trinta anos de carta já me permite ter também uma opinião sobre o assunto.

Acredito que existem escolas de condução “manhosas” e que os exames nem sempre primam pelo rigor.

Mas quando tirei a carta, a Escola que frequentei, não tinha umas condições por aí além. Ensinou-me o básico. Fiz o exame logo à primeira.

Desde então, muito se alterou. Pelo meio veio o 25 de Abril de 74 e tudo o que veio ao de cima. O Bom e o Mau.

A sociedade e as relações que a regem alteraram-se. Muito do que era aceite foi posto em causa. Neste contexto, valores como a Educação e o Civismo sofreram um profundo revés.

Não há escola capaz de fazer cumprir o que quer que seja, se não houver vontade própria em fazê-lo.

As pessoas frequentam as aulas de condução, fazem o exame e logo que se apanham com a carta na mão esquecem tudo pura e simplesmente.

Estou plenamente convencido que o problema da sinistralidade rodoviária vai muito para além do aspecto técnico da condução.

É nas pequenas coisas como um pisca (já muito poucos se lembram que existe este procedimento...) feito a tempo e horas e nas grandes coisas como a diminuição do ego dos que se consideram os donos das estradas e que as regras só se cumprem quando são fiscalizados e que existem apenas para os servir, que fazem a diferença quando alguém se lança na grande aventura de conduzir um automóvel.

sinto-me: Baralhado
música: "My name is Robert Neville" (James Newton Howard)

publicado por rodamarante às 10:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Dia de Greve

. O sino da unidade toca a ...

. CONDUZIR: A Grande Aventu...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.contador